Protesto pede 'justiça por Luan' Foto: reprodução

Delegado aguarda novas testemunhas e resultado de perícias para concluir inquérito do caso Luan Barreto

Por Esdras Marchezan — Da Agência HiperLAB/UERN

A Polícia Civil aguarda o surgimento de novas testemunhas e a finalização de perícias técnicas para concluir o inquérito policial que investiga o assassinato do universitário Luan Carlos Melo Barreto, de 23 anos. Com o atraso no resultado de algumas perícias solicitadas ao Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP/RN) pela Polícia Civil, o delegado especial Marcus Vinicius deve usar do prazo de 30 dias para finalizar sua investigação. O prazo se encerra no dia 2 de agosto.

“Esperávamos concluir antes, mas esses resultados são importantes para que tenhamos um inquérito sólido e forte, com as provas necessárias à responsabilização sobre a morte do Luan”, disse o delegado em entrevista à Agência HiperLAB de Reportagem.

Luan foi morto com um tiro na cabeça, na avenida Lauro Monte Filho, quando se dirigia, em sua moto, até o trabalho da namorada, na empresa AeC, nos Pereiros. No meio do caminho ele foi alvejado. Três policiais militares que estavam no local do crime e que levaram Luan até o Hospital Regional Tarcísio Maia foram afastados das funções e tiveram suas armas apreendidas para investigação.

A robustez das provas técnicas é fundamental num inquérito policial para evitar falhas de investigação que possam fragilizar o inquérito. Além das provas técnicas obtidas pela polícia, a ampliação no quadro de testemunhas é um fator esperado pelo delegado. Familiares e amigos têm postado mensagens nas redes sociais pedindo a colaboração de testemunhas que presenciaram o crime ou que possuam informações importantes que possam apontar os responsáveis pelo tiro que matou Luan.

“Já temos alguns depoimentos, mas quanto mais informações tivermos mais rápido chegaremos ao desfecho do caso. Por isso a importância das testemunhas”, comentou o delegado Marcus Vinicius.

Delegado foi designado em caráter especial
Foto: Thyago Macedo/G1/RN

Marcos Vinicius dos Santos foi designado pela Delegacia Geral de Polícia Civil (DEGEPOL) para investigar o caso. Diretor da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), de Natal, ele tem vasta experiência em investigações deste tipo, sendo designado em caráter especial em algumas investigações mais difíceis em municípios potiguares.

Luan Barreto era estudante do curso de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e havia completado 23 anos no dia 5 de junho passado. Apaixonado por motos, era só orgulho depois de ter conseguido comprar a sua motocicleta. Foi nela que ele estava, a caminho do trabalhado da namorada, quando foi parado com um tiro na cabeça.

Imagens de vídeo feitas na hora do crime se espalharam pela internet e mostram duas viaturas policias ao lado do corpo dele. No hospital, Luan ainda foi submetido a uma cirurgia na cabeça, mas morreu às 4h20m do dia 2 de julho.

A Agência Hiperlab de Reportagem é uma ação do Laboratório de Narrativa Hipermídia (HiperLAB/UERN), projeto de extensão do curso de Jornalismo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), coordenado pelo professor Esdras Marchezan.

Siga-nos no Instagram.

contatosaulovale@gmail.com

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook

Saulo Vale

É formado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela UERN. Apresentador do Jornal da Tarde, Rádio Rural de Mossoró, e do Enfoque Político, Super TV. É também correspondente de política das rádios da capital e do interior, como 97 FM de Natal, 91 FM de Natal e Rádio Cabugi do Seridó.