Walter e Gari de um lado e Henrique de outro - Foto: arquivo

Rompimento de Henrique e Garibaldi aumenta imbróglio no MDB

O rompimento, agora oficializado, do ex-deputado Henrique Eduardo Alves (MDB) e o ex-senador Garibaldi Alves Filho (MDB) aumenta ainda mais o imbróglio no partido.

O pivô do racha foi o apoio de Henrique a candidatura de Benes Leocádio (Republicanos) a deputado federal em 2018. Não apoiou o deputado federal Walter Alves, filho de Gari, candidato à reeleição.

Garibaldi ficou sentido com Henrique. Walter muito mais.
Arestas que não se apagaram desde aquela campanha emblemática.

Agora, rompidos, não estarão mais no mesmo palanque em 2022. Nem pensar.

Garibaldi com chances de ser candidato a deputado federal e Walter o vice na chapa de reeleição da governadora Fátima (PT).

Já Henrique, especula-se, tem vontade de retornar à Câmara dos Deputados, onde teve 11 mandatos consecutivos.

Até agora, não anunciou saída do MDB.

Nos caciques do partido no âmbito nacional, como Michel Temer, Romero Jucá, Baleia Rossi e tantos outros, Henrique é mais lembrado e prestigiado que Walter, que hoje é o presidente do MDB no RN.

Entretanto, nada sinaliza que isso seja o suficiente para manter Henrique no partido.

Muito pelo contrário.

Com o rompimento oficializado, não tem mais clima, como já não tinha desde a eleição de 2018, de manter Henrique, Walter e Gari no MDB.

A parceria político-familiar de décadas chegou ao fim.

Siga-nos no Instagram.

contatosaulovale@gmail.com

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook

Saulo Vale

É formado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela UERN. Apresentador do Jornal da Tarde, Rádio Rural de Mossoró, e do Enfoque Político, Super TV. É também correspondente de política das rádios da capital e do interior, como 97 FM de Natal, 91 FM de Natal e Rádio Cabugi do Seridó.