RN venderá novos campos de petróleo ainda em 2020

Abertura do Mossoró Oil & Gas, nesta segunda-feira 
Foto: Renato Gomes

O Rio Grande do Norte deverá receber novos compradores de campos maduros, ainda em 2020. Na abertura do Mossoró Oil & Gas Expo (MOGE), ontem à noite (23), em Mossoró, o Governo Federal reiterou para 4 dezembro o 2ª Ciclo de Oferta Permanente, da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustível (ANP). O leilão oferecerá 35 blocos na Bacia Potiguar, segundo o diretor geral da ANP, Raphael Moura.
“O mercado no Rio Grande do Norte passa por grande transformação, com o ingresso de novas empresas. É o primeiro Estado a receber compradores de ativos da Petrobras. E a expectativa é que seja ampliado o número de empresas e de áreas exploratórias ainda em 2020, com o 2ª Ciclo de Oferta Permanente”, disse Mauro, que participou da abertura Mossoró Oil & Gas, por videoconferência, do Rio de Janeiro.
A expectativa é que o Estado repita ou supere o desempenho de leilões anteriores, como no 1º Ciclo da ANP, em 10 de setembro de 2019, quando a empresa norte-americana Petro Victory arrematou 15 blocos; a Phoenix Energia, dois; Geopark Brasil e Imetame Energia, um bloco cada. 
Otimismo
A Oferta Permanente é disponibilidade contínua de campos ofertados em licitações anteriores, não arrematados ou devolvidos à ANP. Resulta da atual política da Petrobras, que, desinteressada em campos maduros, coloca-os à venda. Negócios foram fechados e operadores independentes já estão produzindo – e com bons resultados, como a Potiguar E&P, no polo Riacho da Forquilha (região de Mossoró).
O cenário animador para o reaquecimento do onshore potiguar (produção em terra) foi confirmado pelo secretário nacional de Petróleo e Gás e Biocombustíveis, José Mauro. “No leilão da oferta permanente em 4 de dezembro, vários blocos do Rio Grande do Norte deverão ser arrematados”, disse o representante do Governo Federal, presente à abertura do MOGE.

Gás natural
Já a governadora Fátima Bezerra, embora lamente a decisão da Petrobras de praticamente deixar o RN, disse que o Estado está atento à nova realidade do mercado. Ela defende rapidez no acesso de empresas à Unidade de Processamento de Gás Natural em Guamaré. Considera a operação fundamental para aumentar a produção e reduzir o preço do gás ao consumidor final. Fátima garante empenho para acelerar o procedimento.
“Com o acesso à Unidade de Guamaré, a Potigás comprará gás a preços mais competitivos direto dos produtores e terá mais condição de reduzir o preço para seus 28 mil clientes nos segmentos industrial, residencial, veicular (maior clientela). Precisamos destravar isso. É inaceitável o prazo de 18 meses dado pelo Governo Federal. Estive recentemente na ANP e, se preciso for, todo mês estarei no Rio de Janeiro para destravar isso”, assegurou.
contatosaulovale@gmail.com
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook

Saulo Vale

É formado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela UERN. Apresentador do Jornal da Tarde, Rádio Rural de Mossoró, e do Enfoque Político, Super TV. É também correspondente de política das rádios da capital e do interior, como 97 FM de Natal, 91 FM de Natal e Rádio Cabugi do Seridó.