Governadora chega ao centésimo dia com mais 'baixos' que 'altos' - Foto: Marcelo Camargo

Fátima chega aos 100 dias do 2º mandato marcada por desgastes e desafios

A governadora Fátima Bezerra (PT) chega nesta segunda-feira à marca de seus 100 primeiros dias do segundo mandato à frente do Rio Grande do Norte.

A crise na Segurança Pública, marcada por 11 dias consecutivos de ataques terroristas, foi o maior de todos os desafios e lhe trouxe um imenso desgaste. Viu a popularidade derreter.

O governo, acertadamente, procurou à União e, através de parcerias com o governo do aliado Lula (PT), teve, de imediato, agentes, viaturas, armamentos e R$ 100 milhões. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, esteve duas vezes no RN.

Crise foi contornada, ainda que com sequelas, mas sem a necessidade de pedir ajuda das Forças Armadas.

Neste processo, teve pedido de impeachment na Assembleia Legislativa pela oposição bolsonarista. A peça mal feita e sem nexo continha, basicamente, prints de blogs com notícias sobre os ataques terroristas. Óbvio que não vingou. Foi arquivada.

Na Educação, o governo enfrenta uma greve que já ultrapassa os 30 dias. Nela, Fátima, professora e ex-dirigente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte), é cobrada a apresentar uma proposta melhor para pagamento do Piso Salarial do Magistério, pauta que marcou sua vida parlamentar como deputada federal e senadora. Nesse episódio, governo e Sinte, entidade historicamente ligada a Fátima e ao PT, não se entendem e os ânimos se acirram.

Na Saúde, greve anunciada para esta terça-feira (11) e problemas graves no Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM), segundo maior do RN.

As estradas estão esburacadas e as críticas são constantes nas redes sociais.

Na arrecadação, o governo fez cumprir a Lei, aprovada pela Assembleia Legislativa em janeiro, e aumentou de 18% para 20% a alíquota de ICMS. Mais desgaste e críticas tendo como alvo somente Fátima, ainda que o projeto tenha sido aprovado por 15 deputados.

Ali, o governo tinha dois caminhos: arcar com o desgaste e aumentar a alíquota ou confiar na sorte e correr o risco de não ter recursos para o básico do básico, o que seria muito pior, uma vez que a compensação federal prometida ainda não chegou. Escolheu o primeiro.

Força política

Na articulação política, o governo soube se sobressair. Passou pelas crises sem perder ninguém. Segue com base aliada forte na Assembleia Legislativa, que tende inclusive a ser ampliada.

Fátima conseguiu ainda emplacar um aliado à frente da Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn), entidade que estava ligada ao senador Rogério Marinho (PL), seu opositor.

Neste segundo mandato tem o aliado e amigo de décadas Luiz Inácio Lula da Silva (PT), presidente da República, a quem pode recorrer sem precisar de qualquer intermediário.

Tempo

Vale ressaltar que o governo tem um fator importante ao seu favor, mesmo com todos esses desafios: o tempo.

Mas não se pode dormir em berço esplêndido num momento em que a oposição se mostra mais articulada neste momento do que no primeiro mandato de Fátima.

Mãos à obra.

Siga-nos no Instagram.

contatosaulovale@gmail.com

WhatsApp
Telegram
Twitter
Facebook

Saulo Vale

É formado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela UERN. Apresentador do Jornal da Tarde, Rádio Rural de Mossoró, e do Enfoque Político, Super TV. É também correspondente de política das rádios da capital e do interior, como 97 FM de Natal, 91 FM de Natal e Rádio Cabugi do Seridó.

Rate Limited Exceeded. Please go to the Feed Them Social Plugin then the Twitter Options page for Feed Them Social and follow the instructions under the header Twitter API Token.No Tweets available. Login as Admin to see more details.